sexta-feira, junho 30, 2006

64

Hora de descansar. Lamento se está quase na hora de ir. Sei que é só uma passagem. Um novo começo ou só a terra e os vermes. "Homens morrem, mas idéias são eternas!". Meu amigo soube viver bons minutos de amor e respeitou a si mesmo quando permitiu a si ser humano. Permitiu animais dilacerarem a razão e a moral. Atreveu a sorrir...e a dançar a melodia que os rouxinóis exalam - na falta de uma expressão mais apropriada ao fenômeno. Perdeu...suas obras de arte, parte de si...as manhãs contando histórias para seus descendentes."Todo homem morre, mas nem todo homem vive". Salvou vidas e músicas no seu Ipod. Andou em camara lenta e negociou com o tempo sua importância por aqui. Hoje eu soube que está na hora de dizer adeus...mas eu prefiro dizer...luz sempre.

quarta-feira, junho 28, 2006

63

Desdém. E depois da sobremesa, o que virá? Após a festa, o vômito? Nobres presenças na minha memória seriam melhor lembradas se fossem esquecidas...pois já não quero saber de andar de fasto. Estou farto da pasmaceira que eu faço parte...desse marasmo complacente a "seriedade da vida". Quantos enganos, farsas, mentiras..."e que mundo belo esta lá fora...". Lindo ser...provido de razão e criatividade...Repúdio...
Agora calma...
Agora em paz...
Não dá pra entender...estou para conhecer o sincero humano. Aquele animal desprovido de medo e pronto para cair e levantar sem querer nada para si...Vírus...criaturas brilhantes...não precisam de mentira alguma para serem eles mesmos...a capacidade de 'mutação' não está preso a "moral viral" alguma...Dizimam milhões de seres humanos sem se preocupar com certo e errado...

Devaneios...

Não consigo mais...
Encarar tantos desejos...vontade de poder...
Náuseas...náuseas...
Implosão.
Confiança. Lealdade...
Depois de tudo...como e por que eu durmo?
Que luta cega...


62

a sina do simples

nota aquela pétala
és para ti bela?
foi eu quem te trouxe ela,
é uma forma singela minha
pra te contar sobre o amor.

é veto benigno
a qualquer meio de abandono
que no amanhã venha a pensar.
nessa lida, que uns chamam de vida,
não te deixo não, querida.

vê aquela nuvem?
és a forma perfeita
do anjo que te guarda.

sente a chuva fina?
é natureza plena e bonita.
é coisa de gente de simples sina.

61

Só existe eu quando seguido de verbo? Degeneração...cansaço, bilis negra, mellan collie e estou cansado da primeira pessoa. O desgaste em dizer tudo na primeira pessoa do singular...Os excessos dos discursos...da minha história. Aliás...o quão importante foi ela pra alguém senão pra mim? Pra que falar dela?
Basta...é a velha tendência a tristeza. Na verdade é sentir demais que traz aos meus dedos esses caracteres...
Lembrei da banda portuguesa "Xutos e Pontapés"...A música é "O homem do leme": Eis o refrão...

"E uma vontade de rir nasce do fundo do ser. E uma vontade de ir, correr o mundo e partir, a vida é sempre a perder..."

domingo, junho 25, 2006

60

Minha fuga, meu refúgio e minha covardia. Há pouco meu 'lar' foi ferido. As drogas...aquilo que chamam de drogas. Esse blog...meu escape...Infelizmente o homem que eu conheço hoje ficou comedido e conservador...tem estratégias demais e um espírito muito armado. Não sabe mais de inconsequencia: Epimeteu ou Prometeu? Deixo de lado minha 'visão de mundo'...a neurose filosófica para dizer que me acovardo dentro do meu quarto achando que ele está protegido e ungido de minhas verdades...Ledo engano (Garoto idiota). Deveria considerar que minha cegueira fabricada...essa que faz com que cubra as pessoas primeiramente com suas qualidades afim de não vê-las com a minha visão animal...hobbesiana. Acredito demais nos seres humanos - nos meus queridos principalmente - e não posso deixar só a minha 'crença' prevalecer sobre os tangíveis instintos...ou seja, o soco bem dado da realidade deveria fazer mais efeito ao ponto de não me satisfazer com as minhas vontades, os meus enganos, minha autocorrupção.

sexta-feira, junho 23, 2006

59

Calhas que derramam água de chuva colorida. Solidão a parte...Multidão a parte...Caminho rumo ao monte, minha varanda solidária me aguarda e um desdem sadio a humanidade. Não tenho mais tanta fé assim para tolerar mundos e mundos de sonhos e sonhos. Tenho romantismo impregnado nas veias...a genealogia do Roma ntismo...E irei como Zaratustra ou como uma sombra para o alto da montanha...ou destruirei muito chão para buscarmos logo uma forma mais bela de locomoção...voar por exemplo.

58

Cansado, o palhaço só ri de si mesmo. Quimeras e quimeras. O que mais me fascina hoje, Sr. Lousada e Sr. Barbosa, é um olhar que corre livre no espelho. Vejo tão leve...Ontem uma grande amiga me perguntou onde estão meus poemas que há anos postava na internet. Srta. Maroun, hoje eu deixo minha verve escapar nesses posts, mas não que deixei o rapaz de alguns anos atrás sozinho escrevendo sobre amores e solidões...ainda vive comigo o "eu" diferente daquela época. Entretanto...há um animal mais contido, comportado...rindo de si mesmo. Essa graça...é a glória de um resto presente de vários eus...e todo o amor e ódio que vivi até o minuto.

quarta-feira, junho 14, 2006

57

As mil liberdades. Não vou cortar mais liberdades na minha vida. Não faz sentido e não é um sucesso. Recriar medo e distribuir gaiolas...Desacreditar qualquer pássaro do voô. Por favor! Alguém me escute...Precisamos de menos escolas, menos igrejas, menos empresas e menos prisões. A infância é uma prisão que se estende até o consultório geriátrico...por que ninguém se cansa desse porão? Trocas e interesses, utilitarismo e cansaço. Ouça o som das alturas e sinta o vento das profundezas...estaria eu tão louco ou clinicamente instalado no CID-10 ao ponto de esquecer de mim mesmo no caminho?

domingo, junho 11, 2006

56

Aprendemos e Caminhemos. Lembrei a pouco de "Caminhemos" na voz de Nelson Gonçalves. Sinto que meu grito ainda preso dentro de mim ira permanecer por um tempo ainda reprimido...Recorro ao medo de perder...revejo meus anos de vida, meu dicionário particular de palavras que não existem...
"Parto a procura de alguem ou a procura de nada...Vou indo, caminhando, sem saber que rumo tomar...quem sabe na volta, lhe encontre no mesmo lugar..."
Medo. Medo. Não tenho tantos mais. Não tenho...tentarei não ter.
Em breve eu tomarei o mesmo rumo do Sr. Nelson Gonçalves! Será que ele ainda não voltou?

55

Eucalipto. Flores enfeitam meus olhos...Versos seguram minha mão e uma melodia acaricia meus ouvidos...Que sentido humano conhece os sentimentos de um homem que sabe de sua origem? Como posso dizer aquilo que não vive em palavras...descrever o intimo de um "eu" que não participa da visão de outros eus. Cansado...Preciso de uma floresta de eucaliptos, de uma cachoeira, uma alegoria real e minutos de vento...

54

Saudade de caminhar. Descobri estrelas demais e não fiquei cego com tanta luz...os cavalheiros de marte não sabem de nada...eles não sabem saber.

Muse - Starlight

Far away
The ship is taking me far away 
Far away from the memories
Of the people who care if I live or die

Starlight
I will be chasing the starlight
Until the end of my life
I dont know if it's worth it anymore

Hold you in my arms
I just wanted to hold
you in my arms

My life
You electrify my life
Lets conspire to ignite
All the cells that would die just to feel alive

But I'll never let you go
If you promised not to fade away
never Fade away

Our hopes and expectations
Black holes and revelations
Our hopes and expectations
Black holes and revelations

Hold you in my Arms
I just wanted to hold
You in my arms

Far away
The ship is taking me far away
Far away from the memories
Of the people who care if I live or die

And I'll never let you go
If you promise not to fade away
never Fade away

Our hopes and expectations
Black holes and revelations
Our hopes and expectations
Black holes and revelations

Hold you in my Arms
I just wanted to hold
You in my arms

quarta-feira, junho 07, 2006

53

Enquanto eu durmo. Um novo dia. As esperanças de novas horas e ares. Um corpo menos cansado e um dia a menos na vida. O reconhecimento do tempo a labuta da vida em forma de luz e experiência. O discurso lento e sereno de quem observa o raro...e os devaneios de quem ainda acredita nas invenções dos sentimentos...São formas de alongar a meia-noite...são belos os momentos do meu sono...360º de visão e um paradeiro certo para minha diferente sina de voar sem "saber" como.

terça-feira, junho 06, 2006

52

Solidões. Não era exatamente o dia que gostaria da sua companhia, Solidão...Mereço-te?
Como posso lhe deixar mal? Não pertenço mais a essa dimensão.
Se deseja partilhar de uma porção de dores, seguramente está na direção errada: junto a mim não há espaço sequer para lembranças de "sofrer"...Hoje reconheço a mim mesmo num período de bonanza e ventura...mas ao mesmo tempo sei da pressa que a solidão tem em me encontrar garantindo assim, ao menos a certeza de um clima desesperançoso e menos ilusório da embriaguez do sentimentos, da insensatez do músculo bombeador de sangue.
Sou eu que negocio um clima de esperança ou sou eu também que "espero" demais...
Maldito Thiago.
Reconhece de longe a paisagem, as trilhas, as miragens, as alucinações e as estripulias do egoísmo...Possui dentro de si o mais autentico e consciente Menino inconsequente e apaixonado e não faz nada para detê-lo...Masoquismo?
Humano? Tem certeza?
Essa é a desculpa mais esfarrapada que poderia querer nesse momento...Humanos possuem memória...Teimosia sua recordar e repetir o erro...
Lamentar...espera lamentar depois...é a condição de vítima que lhe agrada?
Paro. Chega de neurose.
É só recorrer aos ansioliticos azuis e todo o processo onírico...o dia apenas precisa acabar.
Desassossego e ingratidão, Thiago. Preâmbulo da separação e abandono, parte 1.
Minhas palavras me abandonarão, enfim as solidões encontrarão morada...e não mais serão apenas convidadas...


51

Dissabor. Ah, mas não teria tanta certeza, sra. Arte?

666

sábado, junho 03, 2006

50

Enquanto você dorme. "Oi". Assisto seu sono daqui...Faço votos de bem-estar, querida. Recordo meus dias tristes que são diluídos nos bons que vivo hoje ao seu lado. Creio no sentimento inesperado e muito menos no planejado...Você achou meu sorriso dentro de mim e de pronto então, fica difícil não permitir festa no músculo que bombeia sangue. Nossa "paz" nos levará a cometer diferentes atos de carinho e amor...Sobra uma vida curta pra passarmos e sonharmos...

Nick Cave - Breathless



it's up in the morning and on the downs
Little white clouds like gambolling lambs
And I am breathless over you
And the red-breasted robin beats his wings
His throat it trembles when he sings
For he is helpless before you
The happy hooded bluebells bow
And bend their heads all a-down
Heavied by the early morning dew
At the whispering stream, at the bubbling brook
The fishes leap up to take a look
For they are breathless over you
Still your hands
And still your heart
For still your face comes shining through
And all the morning glows anew
Still your mind
Still your soul
For still, the fare of love is true
And I am breathless without you
The wind circles among the trees
And it bangs about the new-made leaves
For it is breathless without you
The fox chases the rabbit round
The rabbit hides beneath the ground
For he is defenceless without you
The sky of daytime dies away
And all the earthly things they stop to play
For we are all breathless without you
I listen to my juddering bones
The blood in my veins and the wind in my lungs
And I am breathless without you
Still your hands
And still your heart
For still your face comes shining through
And all the morning glows anew
Still your soul
Still your mind
Still, the fire of love is true
And I am breathless without you

quinta-feira, junho 01, 2006

49

Vapores. De acordo com as nuvens dessa manhã, o mistério da vida deixou um presente e anunciou um futuro promissor. Reservei um pouco de sonhos para depois e disse em alto e bom som para um velho 'eu' que reclamou presença na alegoria de hoje: não cederei as certezas de ontem só porque as conheço. Presumo que não verei com os mesmos olhos os meus próprios olhos. Qual a densidade de paz no colchão que ampara meu sono nessa noite tão vazia? Recorro a pouca luz de uma iluminária e um pouco de memórias...Fecharei os olhos e adormecerei para que amanhã chegue logo. Não me suporto reclamando do agora. Devo tanta gratidão aos bons ventos que me trouxeram esses tempos agradaveis...Devo minhas várias vidas ao agora.