segunda-feira, outubro 30, 2006

105

A musica e o post sem acentos. Destravei algumais portas. Abriram-se janelas enquanto dormi e agora ha luz. Sei da ida e da volta. Um universo de nada explicando que tudo nao pode ser menos que mais nada. "O discurso do metodo" foi revisto. Descartes nao teve amores nem musicas.

domingo, outubro 15, 2006

104

Novas experiências tridimensionais. Há uma sensação somente descrita por três tensões antagônicas. Essa será exposta nos meus próximos projetos acadêmicos e será apenas sensível quando as três tensões se contraporem. Parto de uma noção cartesiana: exponho um saber que não sou capaz de expressar algébricamente. A lógica por sua vez, transcende a expectativa matemática, pois essa sobrevive em um vazio ou algo que se assemelha ao zero. Penso em considerá-la, mas diluí-la nas análises posteriores nas Relações Internacionais. Fugirei a 'matematização' do mundo moderno sem perder a musicalidade que credencia a arte daquilo que pode ser teoria e prática, e no ideal, teática.

domingo, outubro 08, 2006

103

Carícias. É de leve que vou tocar sua pele. Desenhar com meus dedos um carinho no seu rosto e assistir o brilhar de um sorriso. É com calma que minha mão direita escorrega nas suas costas e encontra seu pescoço. Nesse lugar eu gosto de beijar e sentir teu perfume. Livre ainda sou para te querer e se não for mais assim, que dores apareçam enfim...pode deixar querida, eu lhe deixo só. Sem minhas carícias, sem meu passado e sem....você ficará bem, muito bem.

segunda-feira, outubro 02, 2006

102

La Vie En Rose. Agora eu sou apenas uma máquina de um deus e quero saber os meus deveres! O que ordena um servo e o que cria um criado? As estrela que lhe acompanharam até aqui...o que têm a dizer de mim? Quem proporcionou mais dias felizes na sua caminhada: você ou algém? Estaria a minha felicidade morando longe há muito tempo ou é mais uma história que me contaram a respeito da vida e eu me enganei? Eu caí ou apenas não cheguei ao chão ainda? Eu quero ser sedado ou já vivo drogado? Mereço dores para lhe dar prazer ou reconheço na razão meus sentimentos? Pra onde vou quando eu não estiver mais aqui? Há vinte e seis anos eu relembro...o quanto eu deixei o amor de lado...o quanto eu deixei para trás. Eu esqueci.

101

O homem morre a primeira vez quando perde o entusiasmo - Honoré de Balzac

100

Daquilo que não falei. Respondi: "espero que você não mude e não se vá". Lágrimas desceram para o chão onde é o lugar onde tudo cai. Meus propósitos maiores pararam de me proporcionar energia para continuar um projeto que só vale na medida que aufere bem-estar as pessoas que considero. Um dia eu calo meus neurônios também! Porque não reconheço prazer mais nos meus pensamentos, todo dia chove...e chuva lá do alto, caindo...caindo...A escuridão do meu desânimo cobre a luz que tanto me fez...e nesse momento não tolero...mas escrevo. Sob o domínio de uma nota triste da sinfonia, eu releio o escrito de ontem. Esse de agora tambem não significa muita coisa: carrega o meu desprezo por mim mesmo, o meu asco pelo excesso de palavras que exprimem tão somente o meu egoísmo e um espírito de vítima...Pois há várias desgraças rondando o mundo e não parece que a minha seja tão importante assim...Acabou a música e acabou a manhã. Preciso de dias mais limpos e com o mínimo de razão possível...as férias que eu nunca tive e a implosão que eu sempre quis. Eu sei do meu inferno...