quarta-feira, dezembro 27, 2006

121

2007. O Retorno a Floresta!


"Este é um quadro de Adolphe William BOUGUEREAU(1825 - 1905), importante pintor francês do século XIX, por muito temporotulado como "acadêmico" (termo que significava apenas "ultrapassado" pelageração moderna do século XX). O nome do quadro é "A Juventude de Baco"("La Jeunesse de Bacchus"), óleo sobre tela, 1884, coleção particular."

Obrigado, Prof. Renato Brolezzi

120

Lagartas, borboletas e mutantes. Eu prometi um dia que não deixaria um amor para trás...e não o trairia por outro. Entretanto, como é difícil manter essa promessa! Aprecio a honra que ergui para mim...mas não sei até quando essas fortalezas de moral conseguirão se manter...
Fato é que mantenho tudo por sentimento...por respeitar o sentimento de terceiros (segundos e quartos também).
Mas não se contém o animal tão fácil, não é?
Um animal comportado é querido pelas famílias.
Ele é tido como animal doméstico.
Um animal que foge do zoológico é um perigo, uma besta a solta.
A besta está na bíblia como sinônimo do diabo.
O diabo não existe sem deus...aliás...considero muito a bíblia (belas passagens), mas ela não me ajuda muito!
Aqui...convenhamos...10 mandamentos, pragas, purgação e inferno não significam muito para o meu 'consciente'.

Voltando a vaca fria, eu respeito as minhas promessas...não vou deixá-las.

domingo, dezembro 24, 2006

119

Suposto Natal. Não..não há muito de peculiar nessa data. Sinto-me fora da sintonia dessa festividade, ainda mais hoje.

terça-feira, dezembro 19, 2006

118

Lisa.











Lisa é uma semideusa presa ao mundo dos ordinários homens e mulheres sedentos por sono e sexo. Conto sobre ela e sobre erotismo no endereço abaixo:

http://lisadia.blogspot.com/

sábado, dezembro 16, 2006

117

erotismo
s. m.,
amor sensual, lúbrico;
amor físico, prazer e desejo sexual distintos da procriação;
exaltação de tudo o que é referente ao desejo sexual;
paixão amorosa.

116

Tentativa. Vou mudar algumas coisas por aqui. Quero falar de erotismo. Vou tentar.

quinta-feira, dezembro 14, 2006

115

Se eu me odeio? Claro. Por que acha que busco você? O que faço aqui reprisando os piores momentos da minha vida cada vez que te desejo...Idiotices tamanhas....a sua manhã é tão opaca, não?

quarta-feira, dezembro 13, 2006

114

Medos e afins. Recordo fotos da infância...um "eu" tão inabalável pelo mundo cão. Meus temores eram monstros...criaturas inexistentes que insistiam em existir na minha mente e debaixo da cama. Hoje (quase amanhã) os meus medos multiplicaram. Receio tantas coisas e assim mesmo sou considerado 'maduro'. Que infelicidade a minha portar tantos medos certos...tantas fobias que não fariam nem cócegas na criança forte que fui um dia. Hoje (quase depois de amanhã), eu temo em lhe dizer não. Penso duas vezes ao agir pela vontade...Não atravesso nenhum caminho depois de certa hora e pior, tenho medo de mim mesmo. Medo de financiar os meus próprios medos e sacrificar o meu tempo em função de um dia de paz e amor. (Não ao momento) Pressuposto para dizer sim. Nessa madrugada eu desejo o fim. "Durma com os anjos..." teria dito Augusto dos Anjos?

terça-feira, dezembro 12, 2006

113

I am a rock

A winters day
In a deep and dark december;
I am alone,
Gazing from my window to the streets below
On a freshly fallen silent shroud of snow.
I am a rock,
I am an island.
Ive built walls,
A fortress deep and mighty,
That none may penetrate.
I have no need of friendship; friendship causes pain.
Its laughter and its loving I disdain.
I am a rock,
I am an island.

Dont talk of love,
But Ive heard the words before;
Its sleeping in my memory.
I wont disturb the slumber of feelings that have died.
If I never loved I never would have cried.
I am a rock,
I am an island.

I have my books
And my poetry to protect me;
I am shielded in my armor,
Hiding in my room, safe within my womb.
I touch no one and no one touches me.
I am a rock,
I am an island.

And a rock feels no pain;
And an island never cries.


domingo, dezembro 03, 2006

112

O Tempo e o Espírito. O tempo, embora faça desabrochar e definhar animais e plantas com assombrosa pontualidade, não tem sobre a alma do homem efeitos tão simples. A alma do homem, aliás, age de forma igualmente estranha sobre o corpo do tempo. Uma hora, alojada no bizarro elemento do espírito humano, pode valer cinquenta ou cem vezes mais que a sua duração medida pelo relógio; em contrapartida, uma hora pode ser fielmente representada no mostrador do espírito por um segundo.

Virginia Woolf, in 'Orlando'

111

Para não te esquecer.Quando pára e fito seus olhos oro em silêncio para o vento não deixá-la tão cedo e alimento minha esperança de encontrá-la novamente em qualquer tempo, lugar ou além. Reconheço "serenidade" em seus verbos...
Só entristeço quando recordo que limitei tudo que sentia por ela em muitas palavras e menos ações .Caminhamos para um vôo alto, embora dessa vez não me importo onde vamos chegar e nem quando. Só me interessa estar a seu lado. Posso segurar sua mão, fada?

110

7 years

109

Pés no chão. São pássaros que alardeiam a presença da chuva. Vão para a terra se esfregar e avisam em pequenos pulos e pelos ouriçados que algo cairá do céu. Um dia alertarão sobre uma reação química nas minhas costas: o aparecimento de asas. Não seriam de anjos nem de demônios: seriam de prata. O chão iria perder o significado para mim e nada seria como antes. Nuvens que antes desenhavam minhas ilusões não serviriam mais aos meus sonhos. Moraria no ar...viveria de brisa. Veria a história por outras bandas e avisaria os pássaros...tamanha alegoria para sublimar minha vontade de liberdade, minha vontade de poder ir além...

108

Enjoy the silence. Estranho...não tinha notado a madrugada.