segunda-feira, janeiro 01, 2007

122

Amanhecer violento. Violência. Eu desejo meus sinceros votos de agressividade a todos. Nos anos passados, eu desejei paz e percebi que quase ninguém ficou em paz. As casas, as famílias e os Estados...todos sem paz. Comecei o ano assistindo o enforcamento de mais um homem, “vigiado e punido” em nome do amor e da segurança. Algo me acordou no meio do meu regozijo sádico e da minha risada: era um chamado quase “messiânico”.
Quase, pois se bem senti e entendi, não se trata de mais uma missão baseada na redenção.
Parece que é algo relacionado com perversão e destruição.
Perversão, pois caberá divertimento nesse empreendimento. Tudo se baseará em riso no exato momento da piada.
Destruição, pois não há mais nada que eu queira senão derrubar os “tijolinhos de lego” do hoje, do meu momento.
Enquanto eu lutei draconianamente pela paz e amor, contraí severas e irreversíveis doenças retro-alimentadas pela covardia. Fiquei satisfeito com a ilusão de segurança que o tempo insistiu (!!!) em me providenciar enquanto estive dentro dos muros e grades da academia e do meu passado ignóbil.
Continuo um idiota, ignorando o mundo e sendo mais um imundo hipócrita assistindo a “paz” e o “amor” engolindo o mundo.
Sim, eu quero a destruição de sua casa, família e Estado.
Todos queriam antes também, mas deixavam esse desejo represo em tantas outras palavras de boas intenções que você e eu não nos demos conta.
Não pertenço ao exército e não falo por Deus algum: simplesmente quero os destroços.
E se alguém ousar planejar algo novo...Não permita que pessoas da floresta (como eu) saibam.

Um comentário:

princesa disse...

Thiago, veja o blog "só mais uma dose", o link está no meu blog. Seu texto lembrou-me um textinho que tá lá. Você vai gostar. Bjs