sábado, fevereiro 17, 2007

140

Os próximos dias sem manhãs.












Por muito não me fiz novamente em flores, manhãs e expectativas. " Esperava" novamente pelos cânticos de fada que poucos ousam ouvir. Era nas alturas que a encontrava...e assim, me "encontrava" na mais irracional dialética. Muitas vezes fiz do sonho a minha realidade e deixei a floresta selvagem rumo ao céu.
Agora o tempo é outro.
O animal é bípede e não permite voôs por míticas realidades. Do ar quero só a leveza...do tempo quero só sabedoria. Viverei para o carinho recíproco e dedicação - nada mais romântico para o século XXI.
Os próximos dias não precisam mais das manhãs.
Preciso do sexo dos dias.
Da cópula entre nossas almas.
Do meu suor de homem raro que derrama orgasmos e perfuma seu cotidiano de adrenalina e serotonina.
É a sua boca que irei beijar sem desperdiçar nem um pouco do melhor sentimento que ainda se conserva dentro de mim. Usufruíremos das sínteses de várias transformações numa história que só pode ser assinada por "Nós" e mais ninguém.
Para que isso aconteça, as manhãs precisarão ser noites...
Deixo o caminho...não vejo mais elementais...não espero mais.
Vivo das boas noites, não-querida.

Nenhum comentário: