segunda-feira, agosto 13, 2007

151

(não). Esperanças. "Não espere de ninguém...só espere de você mesmo, as coisas que somente você pode fazer." Assim disse a maestra. Formidáveis dores poderiam ser evitadas se isso fosse levado a ferro e fogo. Sim, eu preparo o massacre. São mais de vinte vulneráveis peitos à espera de estacas ou pescoços prontos a confortarem as lâminas que só os sós sabem usar. Não interrompa nenhuma vontade...as consequências acabam sempre conflitos. E entre mortos e feridos fica a esperança. A maldita que beija mal...Os maus hálitos de dezenas de zumbis concentrados no nosso beijo e todo o fedor de corpos em decomposição compondo a sinfonia bizarra do que pode - por que não? - se chamar "sexo". Foda-se. Já donou-se tudo mesmo.

Nenhum comentário: