quinta-feira, março 06, 2008

170

Os porquês desse mundo imperfeito insistem em bater a porta das mil razões. Um livro mal escrito ainda sim é um livro. Um velho ainda é novo quando quer. Um cansado coração entristece nas impossibilidades dessa e de outras vidas e eu pergunto: o que acontece na superfície da sua alma? Seu olhar tem perfume...O meu tem pecado. Vivo numa licença poética definitiva com o criador e não sou menos daquilo que demonstro... Sou quase um nada perante a força maior da lógica da sua paz. No meu campo faz guerra e no seu faz amor. Você caminha de olhos fechados e sobrevive...eu tenho olhos secos e mal sei andar. O céu pergunta e você responde.
Nada que a dialética não pinte...o meu céu negro desenha uma lua quando o teu sol deixa a Terra e isso só acontece pra que exista o seu dia.
Para que exista o bem...Para que alguém durma, para que alguém sonhe, para que alguém viva...

Nenhum comentário: