terça-feira, outubro 21, 2008

199

É tarde e
nada que eu escreva será novo.
É tarde e
a descarga de mágoas vão para as mãos
Tudo que eu vejo
é produto de lentes e luz
São doze meses mais uma primavera
Um ao menos morre sem mais
Um sem querer vive de menos

Nenhum comentário: